Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Neste artigo, você vai conhecer os 7 tipos de transcrição de áudio mais usados nas principais empresas de transcrição.

O serviço de transcrição de áudio se resume em transformar o texto falado em um texto escrito. Fácil, né? Há, no entanto, algumas particularidades mais complexas que envolvem a adequada execução dessa atividade. Por isso, vamos apresentá-las a seguir.

Aqui na Mundo Escrito, adotamos dois padrões de transcrição: a transcrição com copidesque e a transcrição sem copidesque.

Os 7 tipos de transcrição de áudio que vamos apresentar se enquadram nos dois padrões já apresentados e variam de forma e de nomenclatura segundo o fim a que se destina cada transcrição.

 

Modelos de transcrição de áudios

 

Tipos de transcrição de áudio sem copidesque

 

Na transcrição sem copidesque, não corrigimos a sintaxe durante a escrita do texto. Se a pessoa falou “nós foi no cinema”, mantemos a fala com o desvio de sintaxe. Em outras palavras, não realizamos ajustes estruturais no texto.

Quanto à grafia, mesmo em uma transcrição sem copidesque, nunca escrevemos, por exemplo, “Num foi assim qui ti falei”. Ao contrário, sempre escrevemos as palavras de acordo com o padrão ortográfico da língua portuguesa, ou seja, “Não foi assim que te falei”.

 

1. Degravação

 

A degravação é um tipo de transcrição de áudio para fins jurídicos. Quando em audiência judicial, as partes envolvidas no processo podem, quando necessário, utilizar gravações como prova ou instrução de fatos.

Geralmente, como os áudios não são tão facilmente manipuláveis quanto o texto (que pode ser grafado, destacado de diversas maneiras), os juízes preferem ler as transcrições. São raros os casos em que áudios são aceitos pelo juiz. Por essa razão, com muita frequência realizamos degravações para advogados e outros personagens do mundo jurídico.

A transcrição do áudio é feita de maneira integral (verbatim), incluindo tudo que foi dito e exatamente do modo como foi dito, sem edição. A forma como foi dita por um réu pode servir, por exemplo, de instrução para contextualizar situações mais complexas e subjetivas.

 

2. Transcrição de sessões psicoterápicas

 

Quando um psicólogo contrata a transcrição de suas sessões, geralmente eles querem que as conversas de seus pacientes sejam mantidas exatamente como foram ditas na gravação. A intenção é propiciar a análise da fala e do comportamento de seu paciente sob o prisma e os critérios da Psicologia.

 

Tipos de transcrição de áudio com copidesque

 

Na transcrição com copidesque, corrigimos a ortografia e a sintaxe de acordo com a norma padrão da língua portuguesa. Se, na gravação, uma pessoa falou “nós foi no cinema”, o transcritor corrigirá para “nós fomos ao cinema”.

 

3. Decupagem

 

A decupagem é uma transcrição realizada geralmente por jornalistas. Eles gravam a entrevista e, depois que a transcrevem, fazem recortes selecionando apenas as partes mais interessantes para posterior publicação.

A palavra decupagem é de origem francesa “découpage”, do verbo “recortar”. Então, o que vai, de fato, na transcrição é o conteúdo considerado relevante para o jornalista ou para o veículo de comunicação.

 

4. Ata de reunião

 

 

Uma reunião pode ser transcrita e, posteriormente, transformada em ata. Entretanto, para que isso aconteça de maneira satisfatória, é fundamental que a gravação da reunião seja monitorada. Cada pessoa deverá falar sozinha, sem qualquer intervenção, com prazo estipulado pelo moderador. O falante deve segurar o gravador (ou celular) e, antes de falar, identificar-se.

Embora raramente realizemos transcrições de reuniões, pois quase sempre há sobreposição de vozes e os falantes não se identificam, esse é um tipo de transcrição bastante solicitado por condomínios, universidades, empresas públicas e particulares.

 

5. Transcrição de palestras

 

A transcrição de palestras é feita sempre com copidesque, isso porque, geralmente, é realizada num período entre 40 minutos e 1 hora, em que muitos acontecimentos à parte podem ocorrer e ocasionar um desvio de assunto.

Por exemplo, durante uma palestra, um copo de vidro pode escapulir e cair no chão. Assim, para que a situação se resolva e ninguém se machuque, o palestrante poderá solicitar um profissional da produção para limpar o espaço.

Em outros casos, para conseguir manter a atenção do público, o palestrante também costuma fazer brincadeiras. Se a brincadeira não foi contextualizada no assunto tratado na palestra, ela não deverá ser transcrita. As marcas de oralidade, tais como “beleza”, “é isso aí”, “né?” também devem ser eliminadas nesse modelo de transcrição.

 

6. Transcrição de aulas

 

As aulas transcritas e na tela do computador (ou de outro dispositivo) podem ajudar muitíssimo o aluno. Além de poder utilizar comandos para buscar apenas o termo desejado, o aluno pode usar o texto para fazer resumos e guardar somente o que lhe interessa.

Desse modo, para que o transcritor possa registrar a aula em um bom texto, a qualidade do áudio também deverá ser boa. Sendo assim, é necessário que o gravador ou celular fique o mais próximo possível do professor. Do contrário, os ruídos externos prejudicarão a qualidade da gravação da aula.

 

7. Transcrição de livros ditados

 

Com frequência, transcrevemos as vozes de autores que, ao invés de escrever, preferem gravar suas vozes. Hoje a tecnologia está literalmente à palma da mão, por isso muitos autores ditam os seus textos para que nós os transcrevamos — aliás, é também uma forma mais rápida de registrar uma ideia antes que ela se perca.

Desse modo, para que o áudio fique organizado, geralmente os escritores fazem um roteiro para cada parte do livro que deseja ditar. Depois, quando entregamos o material transcrito, o autor edita o texto e organiza, conforme o necessário.

É importante destacar que, na transcrição de livros ditados, não estamos nos referindo apenas aos livros literários. Já transcrevemos, inclusive, livros médicos, jurídicos e de outras naturezas técnicas e acadêmicas.

 

A essência das boas transcrições

 

O que garante a qualidade de qualquer transcrição é, primeiro, a qualidade da gravação do áudio. Em seguida, vem o know-how do transcritor, que deverá saber ouvir e transcrever as falas de maneira correta e de acordo com o tipo e o formato de transcrição que está realizando.

Portanto, a boa transcrição de áudio resulta da boa parceria entre nossos clientes e nossos transcritores. Se o cliente nos traz um áudio com boa qualidade, da nossa parte garantimos registrar com propriedade tudo que foi dito na gravação.

Sinta-se à vontade para solicitar mais informações e, se for o caso, contratar nossos serviços. Entre em contato conosco! Teremos prazer em atendê-lo!