(62) 98505-8357 (WhatsApp) [email protected]
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

 

O que você pensaria se desse de cara com um livro que atende pelo título nada convencional de A Extraordinária Viagem do Fakir que Ficou Preso em um Armário Ikea? A obra existe, integra uma matéria publicada pelo site “Brincando com livros”, e foi escrita por Romain Puértolas.

O site é generoso nas possibilidades de títulos pouco convencionais. Por exemplo, lá está O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares, de Banson Riggs; A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista, de Jennifer E. Smith; A Sociedade Secreta da Bola de Cristal Cor-de-Rosa, de Risa Green; A Menina que Navegou ao Reino Encantado no Barco que ela Mesma Fez, de Catherynne M. Valente; Foras da lei barulhentos, bolhas raivosas e algumas outras coisas que não são tão sinistras, quem sabe, dependendo de como você se sente quanto a lugares que somem, celulares extraviados, seres vindos do espaço, pais que desaparecem no Peru, um homem chamado Lars Farf e outra história que não conseguimos acabar, de modo que talvez você possa quebrar esse galho, de Neil Gaiman, cujo título, devido ao seu volume, parece ser antes o storyline da obra.

Tudo bem, o papa da propaganda, David Ogilvy, fundador do que seria o superpremiado Grupo Ogilvy, lembrou mil vezes que, na comunicação com o mercado, a função do título é prender o leitor e levá-lo para dentro do texto. No jornalismo também é assim. Com a diferença de que na propaganda não existe a presença do lead, parceiro do título na busca pela atenção do leitor. Mas a arte de criar esses truques não teria atingido um nível de sofisticação além do que se pode considerar razoável?

Sobre a criação de títulos aprendi algumas coisas fundamentais. O título direto conta toda a história, confirmada pelo leitor quando está dentro do texto. O indireto cria expectativa. Atrai o leitor e o conduz, passo a passo, para o que deve ser revelado. A desvantagem do primeiro é que, ao revelar tudo, ele dá spoiler, conta o final do filme. Já a do indireto é o risco de cruzar com um leitor pouco disposto a se perguntar “o que será que ele quis dizer, vou mergulhar no texto, gastar meu tempo e descobrir”. Sem isso, a mensagem se perde em algum lugar. Título com interrogação? Só se você tiver a certeza absoluta de que a resposta será aquilo que você espera para continuar a conversa. Sim, porque uma resposta negativa é o bastante para encerrar o diálogo que nem começou.

Verdade é que a criação de título não é jogo para principiantes. Que o diga o mestre e escritor, Prêmio Nobel de Literatura, Ernest Hemingway. Perguntado se os títulos acontecem durante o processo de criação de uma história, ele respondeu: – “Não. Faço uma relação de títulos depois que termino o conto ou o livro – às vezes chega a uns cem. Então começo a eliminar alguns, às vezes todos.” Ogilvy costumava criar até 22 títulos para um mesmo anúncio. Imagine o que é criar cem possibilidades. Imagine, depois desse longo trabalho, começar a cortar e cortar. Agora imagine o mais doloroso: jogar tudo no lixo, admitindo que nada, nada, daquelas cem possibilidades se aproveita. Sabe o nome disso? Profissionalismo. Um nível excepcional de extrema exigência consigo mesmo. Porque, para ele, vale o pensamento que, depois, orientou Walter Clark ao criar o respeitado padrão global de televisão: “O melhor é o melhor.” Se não é o melhor, não serve.

Ainda sobre a criação de títulos já descobri mais algumas coisas. Por exemplo: ele pode nascer antes do texto. Essa prática oferece a vantagem de, uma vez criado, orientar a direção da mensagem. Mas nem tudo, ali, é positivo. O título criado previamente tem o poder de engessar a mente do escritor. Presa nessas poucas palavras, se a imaginação pensar em alçar voos mais altos, encontrar abordagens mais interessantes para o texto ou, quem sabe, alterar completamente o rumo da prosa, essa viagem será inviabilizada pelo compromisso assumido com o título que já existe. Portanto, caro passageiro, controle-se. E “controle-se” é péssimo quando o assunto é criação. A prática ideal é “descontrole-se” sempre que isso for interessante e adequado, isto é, se não oferecer riscos.

Mas o título pode ser criado só no final, quando o texto já estiver pronto. Hemingway lembra uma situação em que isso aconteceu. Foi no conto Hills Like White Elephants. O autor escreveu o título depois do texto, nascido da conversa com uma moça que estava prestes a abortar. A prática faz sentido. Senão, observe uma parede e responda: o que você vê primeiro? A pintura. E, no entanto, ela é a última coisa feita nessa construção. A propósito, qual é a pintura do seu texto e qual a capacidade que ela tem de encantar e atrair leitores?

Uma coisa que gosto de fazer é, uma vez o texto estando pronto, retirar a primeira frase e transformá-la em título. Sabe por que isso dá um ótimo resultado? É que a ligação entre título e texto fica perfeita, uma vez que, antes de ser título, aquela frase pertencia ao texto. A conexão é inegável.

Por fim, um título desempenha bem o seu papel quando consegue: dar informações concretas; acenar para valores; despertar a atenção, provocar o interesse e levar à ação; gerar atitude; levar em conta o perfil do público-alvo; acenar para benefícios e valores, mais do que para atributos; propor um desafio; dar um senso de urgência – apenas para sugerir algumas das suas funções mais desejadas. Para concluir, pergunto: que título você daria para esse texto?

 

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.